Mundo Higeia

Bem Vindo a este Mundo!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Doutrina Térmica – várias doenças – o mesmo tratamento

imagem copiada net

O Naturopata/ Higienista Lezaeta criou uma doutrina baseada nas suas observações e experiencias de mais de 40 anos a curar doentes – A Doutrina Térmica.

Considerava que a vida “civilizada” do homem (estamos a falar de à 100 anos atrás), levava a desequilíbrios das temperaturas do corpo.

O que se come, como se come, a mistura e a quantidade dos alimentos, leva a um aumento da temperatura dos órgãos internos, e a um desarranjo funcional do organismo, iniciado por indigestões e obstipações.
Se por um lado aquecemos o interior, por outro arrefecemos o exterior – a pele.

Lezaeta confirmava e juntava dois sistemas naturistas, o de Kuhne, que dizia “ que não existe doente sem febre interna”, e o de Kneipp que descobriu ”que toda a alteração da Saúde era consequência da pele enfraquecida e inativa”.

Lezaeta no seu livro afirma: “devidamente provada nas minhas obras a verdade da minha Doutrina Térmica, como solução do problema da Saúde humana, apenas falta propaga-la ao máximo para que chegue ao conhecimento das massas como bandeira libertadora da escravidão moderna (Lezaeta estava no inicio do séc.XX, imaginemos o que ele diria se fosse nos dias de hoje)…”

Para este chileno não fazia sentido a diversidade existente de doenças, a doença é uma – a falta de Saúde.
E, porque que há falta de Saúde?
Pela febre gastrointestinal em grau variável.

A febre é o inimigo a combater (não estou a falar da febre que acusa nos termómetros quando estamos com uma inflamação aguda, esta é considerada de febre curativa e não temos de a baixar, somente controlar), ele disse “ febre e NÃO o micróbio é o inimigo que se deve combater em todo o doente, qualquer que seja o nome ou a manifestação da sua doença”.

Mas, o que é esta febre?
É um aumento da temperatura devido a um estado de natureza inflamatória e congestiva, que faz com que a temperatura nesse local suba acima dos 37 graus centígrados. Origina-se por reação nervosa e circulatória e porque os tecidos são submetidos a um trabalho maior que o normal, fazendo subir a temperatura.

 Qual era o tratamento de Lezaeta?
A primeira diretriz era equilibrar as temperaturas, fazendo diminuir a do aparelho digestivo, para que dessa forma pudéssemos elaborar sangue puro, que ele considerava de “remedio” infalível para levar Saúde e Vida a todos os tecidos e órgãos do corpo afetado.
Entre outras coisas a receita para obter Saúde, era:
- Fortificar a pele com aplicações frias.
- Refrescar os órgãos internos com banhos derivativos ao baixo-ventre.
- Aplicar argila para refrescar ou seja desinflamar.
- Uma dieta maioritariamente crudivorista, baseada em frutas, verduras, para diminuir o calor dos órgãos.
- Um dia por semana somente fruta crua e sem mistura entre elas.

O que disse Lezaeta sobre o Cancro do Estomago?
“ Para que exista esta anormalidade é preciso que, de forma muito cronica tenham-se mantido más digestões e deficientes eliminações da pele por grave e permanente desequilíbrio térmico do corpo.
Esta afeção na maioria das vezes desenvolve-se em pessoas de 40 a 60 anos e o tumor localiza-se na região do estomago próximo da saída, produzindo aperto nessa parte e dilatação deste órgão.
Esta doença é consequência de um mau regime alimentar, baseado em carnes, condimentos fortes, doces, gelados, bebidas alcoólicas, café e também resulta muitas vezes de uma úlcera tratada por drogas.

Tratamento
O tratamento desta doença torna indispensável a aplicação de uma dieta purificadora e refrescante baseada em frutas e saladas cruas bem mastigadas (o crudivorismo é bem velhinho).
Como em todo o doente cronico, é preciso colocar o corpo em equilíbrio térmico, para normalizar as suas funções digestivas e eliminadora da pele. Assim, aumentará o calor na superfície da pele e refrescar-se-ão os órgãos internos do canceroso.
O padre Tadeo diz sobre este assunto: “ o único remedio verdadeiramente eficaz para estes doentes, segundo a experiencia já comprovada, é a cataplasma de argila, acompanhada naturalmente de outros remédios internos e aplicações externas de água fria.”
Pela minha parte posso confirmar este juízo do sabio sacerdote, tendo experimentado em doentes do estomago os benéficos efeitos da argila. Ela descongestiona os tecidos doentes, purifica o aparelho digestivo, absorve o calor anormal.
Nos ataques de dores fortes a simples cataplasma de argila é suficiente para aclamar completamente a dor antes de uma hora.
Dia e noite o doente pode manter o barro sobre o ventre, mudando-o a cada 5 ou 6 horas.
Aplicar-se-ão 3 a 6 fricções de água fria.
Internamente, poderá tomar-se de hora a hora 1 colher de chá de cavalinha e salva.
Ao acordar, convém beber o sumo de um limão espremido em meio copo de água, não comendo senão após meia hora, pelo menos.

Um caso de Cura
D.A.C.F. agricultor rico, de 56 anos foi observado por mim em agosto de 1932. Estava diagnosticado com um tumor canceroso no estomago. A junta médica de Santiago (no Chile) assegurou que o doente devia ser operado antes de quatro dias, porque depois disso nada havia a fazer.
Quando chegou à minha consulta mal podia manter-se de pé. Não podia alimentar-se, porque até a água que ingeria vomitava. A insónia deprimia-o cada vez mais e estava dominado por grande nervosismo e melancolia.
Tinha já feito o seu testamento e estava preparado para a “viagem”.
Pela minha parte, informei-o que ele tinha uma grande inflamação no aparelho digestivo e anemia na sua pele. Convinha aumentar o calor na superfície da pele e descongestionar os órgãos internos.
Para conseguir aumentar a circulação do sangue na superfície da pele aconselhei-lhe de manha e á noite fricções de água fria.
Para descongestionar os órgãos internos prescrevi-lhe 2 ou 3 banhos genitais por dia e cataplasma de argila sobre o ventre durante toda a noite.
Como alimentação, somente fruta crua da época e em pequenas quantidades, até desaparecer todo o mau estar.
Após quaro dias de ter seguido este regime, o doente viu desaparecerem as suas fortes dores de estomago, os vómitos cessaram e conseguia dormir calmamente.

Em fins de dezembro de 1937 (5 anos mais tarde) encontrei-o numa das ruas de Santiago e interroguei-o sobre sua saúde, respondeu-me: “ estou melhor do que o Senhor”.
Vi-o novamente em 1952 e disse-me que seguia as minhas instruções, desfrutava assim de uma boa saúde.
Acrescentou no passado dia do seu aniversário tinha comido e bebido à vontade. Sentiu-se mal ao deitar, mas aplicou a cataplasma de argila sobre o ventre, e viu desaparecer todo o seu mal-estar.

Fonte: baseado e adaptado por mim, atravez do livro Medicina Natural ao alcance de todos de Lezaeta.










1 comentário:

  1. incrível! você acha que uma aplicação de argila na garganta seria benéfico para hipotiroidismo? se não, o que recomendaria? há braços!

    ResponderEliminar