Mundo Higeia

Bem Vindo a este Mundo!

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Cuidado com o Leite, ele pode contribuir para o cancro de mama e de próstata

imagem copiada net

Homens que consomem leite de vaca, mesmo magro, deparam-se com um aumento de probabilidade de terem cancro de próstata, de acordo com dois novos estudos no American Journal of Epidemiology.
Este estudo não encontrou associação entre o risco de cancro de próstata e o consumo de cálcio ou de Vitamina D, mas, encontrou uma associação entre o consumo de 1 copo de leite mesmo magro tomado todos os dias, com o desenvolvimento do cancro da próstata.

Dois grandes estudos da universidade de Harvard, mostraram que o leite e as bebidas lácteas aumentam significativamente o risco de Cancro de próstata.
Pensam que seja pelas razões seguintes:
- O leite aumenta os níveis de fator de crescimento de insulina-símile(IGF-1), que é um agente mitótico, que estimula o crescimento de células de vários tecidos, tais como os osteoblastos ou as células cancerígenas, inclusive as células do cancro de mama, ou como neste caso o cancro da próstata.
2) Diminui a ativação do precursor da Vitamina D. A vitamina D ajuda na proteção contra o cancro de próstata.

Nos últimos anos tem vindo à luz muitos dos malefícios do leite, da sua relação com algumas doenças inclusive o cancro.
Our Life In Your Hand é um livro da autoria da professora Jane Plant, geoquímica e chefe do setor de pesquizas geológicas do British Geological Survey.
O livro relata a sua experiencia pessoal com cinco tumores mamários e os tratamentos convencionais a que se submeteu, mas o que a curou foi as mudanças nos seus hábitos alimentares e estilo de vida, principalmente a eliminação de todos os lácteos.

Perante o diagnóstico inicial de cancro de mama, o tratamento foi uma mastectomia (tirar mama) para tirar o cancro, e junto fizeram uma histerectomia (tirar ovários) para lhe provocarem a menopausa, suprimir a produção de estrogénio, para que dessa forma ocorre-se  cura.
Mas, não houve cura.
Pelo contrario, o cancro apareceu mais quatro vezes. Submeteu-se a radioterapia e a quimioterapia.

Trabalhava com o seu marido em problemas ambientais e numa viagem de trabalho à China, verificou que as chinesas tinham uma percentagem de cancro de mama muitíssimo menor.

Investigaram a forma de vida e alimentação dos orientais,  Jane e seu marido descobriram que as mulheres chinesas não tinham cancro de mama, nem os homens tinham tumores prostáticos.
E o que havia de diferente era o – beber leite.
Os orientais sabem que um ser humano adulto não digere o leite, logo não o tomam, e são incapazes de compreender a preocupação ocidental por tomar leite de vaca. Eles nunca o utilizam, nem para alimentar bebés.

No meu curso de Medicina Chinesa, lembro-me muito bem de um chinês e mesmo do Pedro Choy referir que o leite é prejudicial, inclusive para os ossos. Houve risos - claro- as pessoas toma-no precisamente para obtenção de calcio e para a saude dos ossos. É um contra-censo.

Foi no seu quinto tumor, mesmo a fazer quimioterapia que decidiu suprimir por completo a ingestão de lácteos, incluindo todos os alimentos que contêm leite: sopas, biscoitos, pasteis, margaridas, etc..
Em poucos dias o tumor começou a encolher. Duas semanas mais tarde começou a incomodar-lhe e mingou.
Seis semanas depois havia desaparecido.

O oncologista de Jane do hospital de londres, ficou surpreso por não encontrar tumor, pois não esperava que alguém com cancro que já tinha invadido o sistema linfático, pudesse sobreviver. Este oncologista recomenda aos seus pacientes oncológicos uma dieta sem lácteos.

Ela diz no seu livro:
“Ainda que não seja fácil aceitar que uma substancia tão “natural” como o leite possa ter tais repercussões na saúde, eu não tenho duvida de que a relação que existe entre o leite e o cancro de mama é similar à que existe entre o tabaco e o cancro de pulmão.”

Para a professora Jane, o leite é um grande alimento, mas para os bezerros. Diz. “ Estou convencida de que salvei a minha vida por deixar de consumir leite de vaca. Só desejo que a minha experiencia possa servir a mais mulheres e homens que, sem o saberem, podem estar, ou virem a estar, doentes por causa dos lácteos que consomem.”

3 comentários:

  1. As conclusões destes estudos valem zero porque faltam dados imprescindíveis que ninguém teve em conta. Nenhum desses estudos analisou (se estou errada corrija-me, por favor) a composição do leite ou a alimentação das vacas que o produziram. Em todo o mundo, muitas vacas são alimentadas com um feto (Pteridium aquilinum), uma espécie infestante que cresce rapidamente e se adapta a todos os habitats. Ora essa planta contém, entre outros, um composto químico altamente carcinogénico e tóxico, um ptaquilosídeo, que passa facilmente para o leite e restantes produtos lácteos. Esse composto origina muitos outros problemas de saúde, além do cancro, até nos animais que o consomem. Além disso, como o ptaquilosídeo é altamente solúvel em água, é arrastando para o solo, pela chuva, a partir dos restos secos da planta, contaminando a água que bebemos. Isso significa que alguém que viva numa zona onde essa espécie é abundante terá mais possibilidades de contrair cancro do que alguém que tome leite proveniente de vacas criadas sem o contacto com o feto. Ás vezes, as coisas não são o que parecem e estes estudos deixam muito a desejar. Em compensação, por experiência própria, posso relatar que os meus graves problemas de coluna e joelhos melhoraram muito a partir da altura em que passei a consumir lacticínios.

    ResponderEliminar
  2. Tenha juízo mulher. .. tem alguns leitaria ?? Se não bebe leite da sua mãe porque vai beber de um animal? ???

    ResponderEliminar
  3. Sr. Jorge Bicho,
    ... pelas suas palavras... e se você não come a carne da sua mãe porque raio come macdonalds de vaca?

    ResponderEliminar