Mundo Higeia

Bem Vindo a este Mundo!

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Quando o impensável é escrito: Aleitamento materno prejudica a eficácia das vacinas!

imagem copiada net

Um conjunto de pediatras lembrou-se de estudar o fato de algumas vacinas serem menos eficazes nas crianças dos países subdesenvolvidos em relação às dos países industrializados.
Até aqui tudo bem.

Chegaram à conclusão que a presença de grandes quantidades de IgA no leite materno inibe a eficácia das vacinas administradas.
Até aqui, continua tudo bem.

O inacreditável está na conclusão do estudo: para eliminar esse problema, o aleitamento materno deveria ser atrasado de maneira a que as vacinas possam produzir o seu efeito.

Este estudo, publicado pelo “The Pediatric infectious disease jornal”, pode ser lido aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20442687?dopt=Abstract

Desde há muito tempo, que sabemos que o leite materno é o meio mais seguro e eficaz para reforçar o sistema imunitário do recém-nascido. 
Também está provado que as crianças amamentadas são mais resistentes às infeções, nomeadamente otites e gastroenterites.

Vários mecanismos imunológicos e não imunológicos contidos no leite materno opõem-se à proliferação bacteriana. 
Um desses mecanismos são os anticorpos.

Nota:
Anticorpos: são moléculas produzidas pelo nosso organismo pelo desencadear do mecanismo de defesa imunitária especifica, em resposta à presença de um dado antigénio.

Antigénios: são moléculas estranhas ao organismo que, quando surgem no interior deste, levam ao desencadear de mecanismos de defesa, nomeadamente, de anticorpos.

Sem querer entrar muito em pormenor, é de salientar que apesar do recém-nascido ter uma quantidade reduzida de anticorpos, ele não necessita deles em grandes quantidades, em condições fisiológicas normais, dado estar sujeito a estímulos antigénios fracos.
No entanto, além dos anticorpos fornecidos pela mãe durante a gravidez por via trans-placentária, o leite materno contém uma grande quantidade de anticorpos específicos que vem assim preencher a fraca produção de recém-nascido.

Sob a influência dos estímulos antigénios externos, quando a criança chega a um ano de idade, já possui cerca de 80% da quantidade que terá na idade adulta. E isto de uma forma perfeitamente natural.

Portanto preconizar a suspensão do aleitamento materno para aumentar a suposta eficácia de vacinas de que a criança não necessita, não passa de um grande disparate.

Sem comentários:

Enviar um comentário