Mundo Higeia

Bem Vindo a este Mundo!

sexta-feira, 29 de junho de 2012

A Solidão Não Existe

imagem copiada Net

Quanta gente se queixa da Solidão!
No entanto, temos sido nós, a criar essa solidão, essa ideia na cabeça.

Na realidade, nunca se está SÓ.
Então…porque nos sentimos sós?
Porque não temos Amor.

Podeis responder: “mas como, nós temos muito amor, sonhamos com amor!” Precisamente aí está o erro, sonham com o amor, esperam o príncipe ou a princesa das mil e uma noites e por isso estão sós: porque esperam o amor em lugar de buscá-lo em vós mesmos.
Esse amor que se espera nunca chegará. 
Não há que esperar, o amor não vem do exterior, o amor está dentro de nós. Deixa que saia, que se manifeste, pois só assim o encontrareis realmente.

Nunca estamos sós: TODO O UNIVERSO NOS ESCUTA. 
Todas as nossas palavras, todos os nossos gestos têm eco. 
Por exemplo, a cada manhã quando sais de casa, sorri ao mundo inteiro, saudai toda a criação dizendo: “ Bom Dia, Bom Dia”, não vos sentireis sós durante todo o dia, porque de todos os recantos do espaço chegará até vós o vosso eco “Bom Dia…”.
Os humanos saem de suas casas fechados em si, vêm e olham os outros, mas não os observam, não os escutam.

Porque não recordar que o mundo inteiro está habitado por criaturas que merecem que se lhes mande um pensamento, bons desejos, de luz, de paz, de alegria,…
É tão difícil assim abrir-nos? Sorrir? Dar o primeiro passo?
Sempre esperamos que seja os outros a fazer, e nesta espera, nos lamentamos que estamos sós.

Começa desde de hoje a mudar a atitude e vereis como já não vos sentireis sós.
Responderão: “Sim…Sim…mas…as pessoas que encontramos na rua, no almoço, no local de trabalho, não nos inspiram e por outro lado, não nos compreendem”.
É verdade que há gente que não vos compreenderá, mas se lhes sorrires, dirão “o que aconteceu com este?” alguns irão compreender, outros não. 
Além disso, por acaso vivemos somente para as pessoas que encontramos? Não…vivemos para toda a criação, e nesta existe numerosas criaturas que sabem apreciar o vosso amor, e isto é essencial.

Porque não aprender a olhar de uma forma menos superficial todas as pessoas com quem nos cruzamos? Os humanos não são só aquilo que aparentam, cada um tem uma alma, um espirito.
Não demonstra inteligência quem observa os humanos pela aparência. Um sábio sabe que os homens e mulheres são filhos e filhas de Deus e com esta ideia se relaciona com todos os seres.

A melhor maneira de atuar com os demais é descobrir suas qualidades, suas virtudes, suas riquezas espirituais e concentrar-nos nelas.
Descobrir os defeitos das pessoas não têm nenhum mérito, é demasiado fácil; é algo que todo o Mundo sabe fazer…a partir de Agora, tenta prescindir dos detalhes menos virtuosos e na mudança busca o principio Divino existente em cada Ser. 
Sim. 
Porque não ter sentimentos sagrados por aquele homem que é divino, imortal e eterno?
Se nos ocuparmos somente com os defeitos que os outros têm, significa que estamos a absorver as suas sujidades, e estamos a impedir que eles evoluam.

Criticando os outros e fotografando seus defeitos, não fazemos mais que cavar um fosso entre eles e nós.
Quando através de nossa alma e do nosso espirito entrarmos em relação com todas as almas e com todos os espíritos da Terra, quando o melhor de nós descobrir o melhor dos outros, então…nunca nos sentiremos sós.

Fonte: palavras de Omraam Mikhael Aivanhov

terça-feira, 26 de junho de 2012

A historia de Manel e a Leucocitose digestiva


São muitas as razões ou intuições, para se comer cru.
Uma delas é a LEUCOCITOSE DIGESTIVA.

Quando temos uma infeção, a inteligência do corpo aumenta os glóbulos brancos (leucocitose) para que estes tomem uma ação defensiva contra os “invasores”.

Mas…o que é que as infeções têm a ver com o comer alimentos crus?
Não tem nada a ver com alimentos crus – sim – com alimentos cozidos.

Suponha que toma um pequeno-almoço constituído por um copo de leite e um pão com manteiga e fiambre. 
O que acontece?
Na sua mente nada, no seu corpo sim.

Os níveis normais de leucócitos (glóbulos brancos) no sangue, são de 6000-8000 por milímetro cubito, ao comer o acima descrito ou qualquer outra comida cozida, os níveis sobem em dez minutos para 10000, e em 30 minutos para 30000, voltando ao normal ao fim de 1 hora e meia. Isto é conhecido como a Leucocitose digestiva.

 A experiencia mostra-nos que o alimento cozido é para o nosso corpo como um “invasor”. 
Faz-nos pensar, não?

Quando comemos frutas e legumes crus não se dá este aumento dos glóbulos brancos.
Mas… a boa noticia para quem gosta muito do cozido, é que esta reação também não se produz, quando comemos cozidos APÓS CRUS. 
Observou-se que se comêssemos alimentos CRUS ANTES DOS COZIDOS, evitava-se esta reação inflamatória.

Quem pensou nisto e em muitas outras coisas foi Manuel, que decidiu comer daquilo que a horta e o pomar lhe ofertam. Foi à TVI contar sua historia, vejam aqui

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Dar Sentido à Vida

imagem retirada net

Temos uma família que nos estabiliza, alguém com quem partilhar a vida, temos filhos, um bom trabalho, amigos, sentimo-nos acompanhados e compreendidos…

Então…porque sentimos tantas vezes um vazio?
Um vazio que as coisas referidas acima não preenchem?
Porque…falta CRIAR, desenvolver o DOM PESSOAL.

Todos nascemos com uma grande fonte de criatividade, quando permitimos que a água flua, o caudal aumenta incessantemente, mas se retemos essa água, ficará estagnada, cheirará mal, perderá sua transparência e não cumprirá a sua função, que é de purificar a alma, hidratar o corpo e refrescar a vida.
Se não damos um curso a esse canal de criação, nossa energia ficará estagnada e então sentiremos insatisfação, tédio e intranquilidade…

Temos que nos empenhar em nos conhecermos, saber quem somos, e o que podemos oferecer. 
Este processo de descobrimento e desenvolvimento nos dará momentos preciosos, e contribuirá para que façamos do Mundo um lugar mais belo.

Assim a família, o marido, os filhos, os amigos são presentes da vida, pois esta Nossa Vida já está cheia de Sentido. 
Amaremos as pessoas que se cruzam connosco, sem apegos, sem obriga-las a fazer-nos felizes…mas…sendo felizes com elas, compartilhando o Dom Pessoal, que por o termos buscado, se tornou no nosso tesouro mais valioso.

Fonte: palavras de Concha Barbero


quinta-feira, 21 de junho de 2012

Tem Ácido Úrico?

imagem retirada net

Em 1950, um médico do Texas, publicou um estudo que mostrava que as cerejas eram eficazes nos ataques de gota. Ele tinha obtido resultados muito positivos em si mesmo.
No estudo as pessoas comiam meio kilo de cerejas ou bebiam o seu equivalente em sumos, em todos os 12 os níveis de acido úrico no sangue diminuiu a níveis normais.

Mas…o que tem a cereja para curar a Gota?

Ela tem uma sub-classe de flavonoides – as antocianidinas, que inibem a xantina oxidade, uma enzima envolvida na produção do ácido úrico.

Quando comemos um alimento – neste caso cerejas – com a intenção de alterar um estado de saúde, estamos a usar a Medicina Hipocrática, a que diz que o “teu alimento seja o teu medicamento”, e junto com o medicamento vem a lista de efeitos secundários, só que no caso das cerejas, os efeitos são todos positivos.

Vejamos:
- São ricas em antioxidantes
- Baixam o colesterol
- Tem propriedades anti-cancro
- Estudos mostram a sua eficácea na recuperação de lesões musculares em desportistas.
-Melhoram a capacidade dos idosos para resistir a danos oxidativos, logo contribuem para que o organismo faça frente a doenças como Aterosclerose, Diabetes, Alzheimer, Infeções, Doenças Cardíacas e Declínio cognitivo.
- Etc.

Esta semana, quando for ás compras, lembre-se de comprar cerejas…o nosso corpo agradece e os agricultores da Serra da Gardunha também.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Carqueja e seus benefícios

imagem copiada net

A Carqueja (a carqueja portuguesa é a Pterospartum tridentatum (L), é uma leguminosa que cresce em Portugal, principalmente nas serras do interior Norte e Centro.
Na primavera, esta planta atinge o seu clímax e presenteia-nos com flores amarelas.

Desde de à muito que é utilizada como “chá para tudo” até como condimento, no famoso arroz de carqueja, que eu tenho de experimentar como “arroz integral de carqueja”.

Quando esta linda planta floresce, nós vamos lá…e colhemos.
 Trazemos para nós uma combinação de “coisas” que nos aumenta o saldo da Saúde, pela sua ação tónica e anti-inflamatória geral.
Sendo a maioria de todas as doenças inflamatórias, esta planta têm no nosso corpo uma ação vital, uma importância a levar em conta.

Vejamos, o quão importante ela é, e no que pode ajudar:
- Tem ação antibiótica.
- Pode ser empregue em problemas dermatológicos – beber o chá e aplicar na pele.
- Deve ser usada na diabetes e no colesterol alto.
- Tem propriedades anti-hipertensivas – baixa a tensão, assim como promove o bom funcionamento da circulação sanguínea.
- Apresenta efeitos na arteriosclerose e é ao mesmo tempo vasodilatadora e depurativa.
- É utilizada como digestivo, nas inflamações intestinais e como analgésico gástrico, útil nas azias.
- Indicada na obstipação.
- Gengivites.
- A sua decocção interessa a todo o sistema renal, para todas as afeções das bexiga, vias urinarias, antiespasmódico renal e muito importante no tratamento da nefrolitíase.
- Planta diurética.
- Protege o fígado das agressões – usada em todos os problemas hepáticos e da vesicula biliar.
- Devido ao seu poder anti-inflamatório deve ser tomada em todas as dores e inflamações.
- Tradicionalmente usada em problemas febris, como resfriados, gripes, catarros, bronquite, sinusite e irritações da garganta.
- Há quem a use para cefaleias e enxaquecas.
- Usada na gota e no controlo do ácido úrico.
- Como é tónica, deve ser tomada nas astenias e cansaços.

- É dona de compostos fenólicos.
Mas o que isto significa?
Os compostos fenólicos são compostos bioactivos com propriedades antioxidantes (protegem-nos frente aos radicais livres, que provocam o envelhecimento e outras enfermidades) que se encontram em frutas, legumes, cereais e chás.
E mais importante…há estudos que demonstram que muitos dos compostos fenólicos derivados das plantas - no caso a CARQUEJA - são antioxidantes mais eficientes in vitro, do que as vitaminas E ou C ou os carotenoides.

- Em 2004 foi feito um estudo, que mostrou a ação dos flavonoides da CARQUEJA como agente protetor das células endoteliais (células que formam a camada interna dos vasos sanguíneos) contra danos oxidativos.

- Em 2009, na Universidade de Aveiro, Vera Armanda Moreira da Silva para obter o Grau de Mestre em Biologia Molecular e Celular apresentou uma tese, onde estudou e comprovou os efeitos da carqueja (folhas e flores) sobre o fígado, baço e rim e a sua ação protetora após administrar um toxico. Este experimento foi feito em ratos.

A carqueja é um grande medicamento a ser usado.

Se você tem algum ou vários dos problemas acima referidos, não exi-te em tomar o chá de carqueja.
Experimente – durante 21 dias tome 3 chávenas por dias (sensivelmente meio litro), sem açúcar. E comprove os resultados.

Contra – indicações:
- A carqueja não deve ser tomada por pessoas muito magras.
 - É contra-indicada na pressão arterial baixa e nas hipoglicemias.
- Ao tomar esta planta, as pessoas com diabetes devem monitorizar os seus níveis de glicemia.
- A carqueja pode potenciar os efeitos dos anti-hipertensivos, da insulina e dos anti-diabéticos – controlar os valores.
- Pode acelerar a depuração de alguns medicamentos metabolizados no fígado, reduzindo assim o seu efeito farmacológico, da mesma forma que reduz os efeitos secundários dos fármacos metabolizados no fígado.

Neste momento, estou a beber CARQUEJA...


domingo, 17 de junho de 2012

Viver em Meditação Continua...


Um dos meus objectivos essenciais é o fazer da minha vida uma meditação.
 Parece fácil, mas não é.
Tento...permaneço nesse estado…mas, por qualquer razão saio e também porque sair é muito fácil.
Então…penso para mim mesma: “saíste…tudo bem, vamos voltar”, e volto para logo sair novamente.

Nos dias em que consigo passar mais tempo, a paz interna toma lugar.
 Por exemplo, nos dias que tenho de limpar a casa, em que olho cada objecto que limpo como se fosse novo, como se eu o visse pela primeira vez e sinto amor por ele, toda a limpeza passa a ser um momento de vida interna intensa, com grande emoção, dentro do espaço da serenidade, em que cada ato num determinado momento é aceite por mim como se fosse o melhor que a Vida me podia ofertar.

Quem me sensibilizou para a importância desta forma de meditar, de permanecer no Agora, que eu penso ser uma das atitudes internas mais importantes do momento, foi Eckhart Tolle.

Neste vídeo, ele mostra como conseguir isso.
Para legendas em Português carregue nas letrinhas CC à direita.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Quando o impensável é escrito: Aleitamento materno prejudica a eficácia das vacinas!

imagem copiada net

Um conjunto de pediatras lembrou-se de estudar o fato de algumas vacinas serem menos eficazes nas crianças dos países subdesenvolvidos em relação às dos países industrializados.
Até aqui tudo bem.

Chegaram à conclusão que a presença de grandes quantidades de IgA no leite materno inibe a eficácia das vacinas administradas.
Até aqui, continua tudo bem.

O inacreditável está na conclusão do estudo: para eliminar esse problema, o aleitamento materno deveria ser atrasado de maneira a que as vacinas possam produzir o seu efeito.

Este estudo, publicado pelo “The Pediatric infectious disease jornal”, pode ser lido aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20442687?dopt=Abstract

Desde há muito tempo, que sabemos que o leite materno é o meio mais seguro e eficaz para reforçar o sistema imunitário do recém-nascido. 
Também está provado que as crianças amamentadas são mais resistentes às infeções, nomeadamente otites e gastroenterites.

Vários mecanismos imunológicos e não imunológicos contidos no leite materno opõem-se à proliferação bacteriana. 
Um desses mecanismos são os anticorpos.

Nota:
Anticorpos: são moléculas produzidas pelo nosso organismo pelo desencadear do mecanismo de defesa imunitária especifica, em resposta à presença de um dado antigénio.

Antigénios: são moléculas estranhas ao organismo que, quando surgem no interior deste, levam ao desencadear de mecanismos de defesa, nomeadamente, de anticorpos.

Sem querer entrar muito em pormenor, é de salientar que apesar do recém-nascido ter uma quantidade reduzida de anticorpos, ele não necessita deles em grandes quantidades, em condições fisiológicas normais, dado estar sujeito a estímulos antigénios fracos.
No entanto, além dos anticorpos fornecidos pela mãe durante a gravidez por via trans-placentária, o leite materno contém uma grande quantidade de anticorpos específicos que vem assim preencher a fraca produção de recém-nascido.

Sob a influência dos estímulos antigénios externos, quando a criança chega a um ano de idade, já possui cerca de 80% da quantidade que terá na idade adulta. E isto de uma forma perfeitamente natural.

Portanto preconizar a suspensão do aleitamento materno para aumentar a suposta eficácia de vacinas de que a criança não necessita, não passa de um grande disparate.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Somos Seres Espirituais. Mas…quando estamos na matéria perdemos essa noção. Porquê?

imagem copiada net

Acredito que se possa contar pelos dedos, as pessoas que tiveram sempre presente a noção de serem espirituais.
Todos nós perdemos esta identidade.

Ao descermos ou ao encarnarmos na terceira dimensão, a dimensão material, os nossos corpos subtis e com mais vibração não vão encarnando todos, por isso nós esquecemos de tudo.
Nós trazemos o que precisamos para estas “férias”, trazemos aquilo que precisamos para encarnar.

Como grande parte da sociedade se identifica com a matéria ou seja que o ser humano é somente o corpo, tudo o que é ensinado a buscar é o bem-estar e a satisfação deste, que é necessário para que outros corpos subtis se acoplem, mas não é suficiente.
 Por isso continuamos insatisfeitos.
Mas…durante a vida, e com as dificuldades desta, e com a insatisfação interna, vamos aos poucos nos interrogar: quem sou eu?
Penso que esta pergunta abre a porta que dá acesso a todo o resto.
Não sei se chegamos lá nesta vida…mas é um começo.

Desde de bem pequena, que me pergunto: quem sou eu? 
A busca começou bem na infância, no fim da adolescência fui adepta de uma religião, até me batizei, mas a resposta não vinha, e a voz dentro de mim dizia: “não é por aqui o teu caminho”, e acredito que não era.
Ficou como uma boa experiencia, o Universo sabe nos guiar, por vezes temos de ir, provar, para termos a certeza que não é assim, caso contrario ficaria a duvida.

Hoje, vivo no tempo de saber que Sou Espiritual, que estou aqui de ferias, que não sou o meu corpo, nem nada do que vejo, nem nada do que tenho, talvez até pouco do que penso, sou aquilo que está por trás, mas isso que está por trás, provalvelmente é pouco do que sou.
Não sei se entenderam?... nem eu ás vezes entendo.

Mas…a busca continua.
Já aprendi que a busca é interna, porque nós temos tudo, naõ precisamos de mais nada. Então porque buscamos? 
Para mim um sinonimo de busca interior é recordar, esta palavra é mais adequada. 
Nós precisamos de recordar, recordar quem somos.
 Melhor, o que viemos cá fazer?
Tudo o que encontramos cá fora, e gostamos, gostamos porque nos identificamos com aquilo, no fundo, aquilo já faz parte de nós. Aquilo não é novo, não estamos aprender, só a relembrar.

Toda a função do Ensinamento Espiritual é fazer-nos recordar quem Somos…


quarta-feira, 13 de junho de 2012

Como se forma o Cancro? Como tratar o Cancro? Que protocolo seguir? Respostas a isto são dadas pelo Ex- Oncólogo Alberto Bosch

Dr. Alberto Marti Bosch
O Dr. Alberto Marti Bosch, foi pediatra oncólogo durante algum tempo, mas um dia chegou á conclusão de que o melhor a fazer perante uma doença é ajudar o organismo a fazer frente ao problema, fortificando o sistema imunitário, levando o corpo a um estado de equilíbrio e harmonia mediante uma desintoxicação profunda e uma adequada nutrição.

Apesar de não renunciar, quando entende que é preciso, a combater os tumores que crescem e poem em perigo a vida, como no caso em que impedem o bom funcionamento de um órgão.


- Diga-nos Doutor, como é possível passar da oncologia pediátrica á prática de medicina natural tendo em contas as enormes diferenças que ambas mantêm sobre a abordagem do cancro?

- Eu estudei e trabalhei em medicina académica, mas a medicina que pratico hoje, é tão académica como a outra, simplesmente não me foi ensinada na faculdade. E não me ensinaram, porque preferiram ignora-la, mas ela existe e por isso eu pude aprende-la.


O que me fez passar de uma medicina a outra? 
Quando, diariamente numa sala de hospital, vês crianças tratadas com quimioterapia, a vomitar a pedir-te aos gritos que não lhe dês quimioterapia, pois sabem o que vão sentir depois, e te imploram “por favor, Alberto, não me faças isto”, chega uma hora que te perguntas, “ o que estou fazer com esta criança?”


Se a tua intenção é a melhor, se queres ajudar uma criança a superar uma leucemia, um linfoma, um sarcoma, mas te dás conta que estás-lhe a impor um sofrimento enorme, começas a buscar a melhor maneira de o conseguir, fazendo com que essa criança sofra menos, obtendo o máximo benefício possível do tratamento que se está aplicar.

Isto foi o que me levou a indagar os campos da Medicina Natural, saber de que maneira podia ajudar um paciente oncológico a melhorar.


- O sofrimento dessas crianças era compensado com resultados positivos?

- Os resultados que obtínhamos eram muito desalentadores. Estou a falar de à 30 anos atras, no inicio da minha carreira. O indicie de mortalidade e o índice de sofrimento do paciente submetido a tratamentos de quimioterapia eram elevados. Todos os membros da equipa tinham crises pessoais, via as pessoas que trabalhavam comigo, médicos, enfermeiras, auxiliares…, a ficarem deprimidas.

Dizia para mim mesmo, que devia encontrar algo novo. 
Esta inquietação me levou a avançar.

- E isso é o que tem feito ao longo destas duas décadas, em que tem desenvolvido uma proposta de tratamento holístico, integral, que como sabemos, principalmente no último ano, tem conseguido bons resultados.
- Eu digo sempre: eu não curo ninguém.
O que faço é dar ao paciente um guia que o ajude a levar a bom porto. E o que de início foi um mero projeto dedicado a ajudar o paciente a tolerar a quimioterapia, terminou a avançar para uma via que provoca a apoptose celular e consegue fazer com que a célula cancerosa morra por si mesma.
 É cada vez mais frequente os pacientes a alcançar resultados surpreendentes, pacientes com doenças oncológicas que como dizem meus colegas convencionais para justificar os resultados “remissão espontânea”. E assim eu, ironicamente, lhes digo que sim, que espontaneamente…mas com muito trabalho. A Deus rogando e com o malho dando. Porque falamos de doentes muito disciplinados, muito motivados e mentalizados que vão seguir em frente.

O caso que apresentei no passado 1 de Novembro, no III Congresso Internacional sobre Tratamentos Complementários e Alternativos no Cancro que se celebrou em Madrid através da World Association For Cancer research (WACR) e a Dyscovery DSALUD, é o caso mais recente e espetacular, mas tenho tido outros.
No entanto, não podemos falar de cura porque estamos na fase inicial e temos de verificar por 10 anos, sem haver recaída, para ser considerada curada.
Mas…tenho bem claro que o cancro deve ser tratado de forma Holística. 

-Pois esse caso foi especialmente significativo e teve impacto sobre o público. Podia resumi-lo para nossos leitores?
- Bem… é o caso de uma mulher de 31 anos, que me veio consultar, depois de ter dado à luz. Tinham-lhe detetado um tumor cerebral na sua 34ª semana de gravidez. Fizeram-lhe uma cesariana. Depois uma cirurgia para tirar o tumor, que estava situado na zona parietal direita.
Posteriormente ao fazer uma revisão geral, detetaram-lhe metáteses pulmonares, hepáticas, ósseas e musculares, assim como toda a cadeia ganglionar tanto torácica como abdominal. Ou seja estava “invadida”.
A equipa medica, e a meu ver com um bom critério, decidiu não lhe aplicar quimioterapia, nem radioterapia, porque o sofrimento que iriam provocar não justificava o possível benefício.
E foi nestas condições que chegou à minha consulta.
Tinham-lhe dado uma esperança de vida de dois meses.
Obviamente que o meu primeiro pensamento foi o de tentar proporcionar-lhe a melhor qualidade de vida, durante o máximo de tempo possível. 
Mas não deixei de tentar algo mais. 
Sugeri-lhe alguns tratamentos paliativos, mas paralelamente tratamentos terapêuticos que sabia que podiam ajudar as lesões tumorais a regredirem.
Segui os protocolos de Medicina Biológica que tenho desenvolvido, como a dieta de desintoxicação e alcalinização assim como um tratamento ortomolecular.
Potencializei suas defesas com Renoven – antigo Bio-Bac – e segui os protocolos dos Doutores Banerji.
E… surpresa!

Após dois meses e meio de tratamento os resíduos tumorais cerebrais posteriores à cirurgia tinham desaparecido assim como as metástases pulmonares e hepáticas, as lesões ósseas e musculares apresentavam uma remissão de 50%.
Obviamente que sua qualidade de vida melhorou muito, assim como a sua esperança.
 E tudo isto em tão pouco tempo e com um simples tratamento de Medicina Natural.

É verdade que se trata de um caso surpreendente, mas também se trata de alguém que não foi submetida nem a quimioterapia nem a radioterapia, não vinha com o organismo envenenado ou queimado.
O problema é que nos dias de hoje este tipo de paciente é pouco habitual.
Cada vez atendemos mais pessoas que têm feito o “pacote” completo – cirurgia, radio e quimioterapia – e vem como que deitadas ao rio. Chegam desanimadas.
E claro, vêm cheios de dúvidas, como pode a Medicina Natural fazer alguma coisa com eles, se a medicina convencional na qual acreditam não fez? Quase todos chegam perdidos.

 - Quais são as bases do seu protocolo?
- Aos médicos oncólogos é ensinado a tratar o cancro com uma medicina centrada em destruir as células tumorais no lugar de tentar restaurar a harmonia metabólica que terá sido destruída e que permitiu o desenvolvimento do tumor.
É preciso entender que se alterarmos o “terreno” é possível reverter a evolução das células tumorais ou provocar o seu suicídio ou apoptose. Na medicina convencional, quando aparece um tumor, a primeira coisa que fazem é “cortar-lhe a cabeça”, ou seja fazer cirurgia.
No caso de não se poder fazer, usa-se radioterapia, ou seja queimar o tumor “enviá-lo á fogueira”. Outra opção é a quimioterapia ou seja “envenena-lo”.
Também é dito ao doente que se estes “tratamentos” falharem não existe mais nada a fazer.
O oncólogo moderno acha que pode “cortar, queimar ou envenenar”, ações próprias do seculo XII e não de um sofisticado seculo XXI.
É realmente patético.

É verdade que às vezes há necessidade de eliminar o tumor (fazer cirurgia) porque o seu crescimento põe em risco o funcionamento de um órgão vital, mas neste caso o inteligente é seguir um quarta opção igualmente bélica, e como temos estado a compara, também a podíamos encontrar no seculo XII, mas que é muito menos agressiva.
O que é que se fazia na antiguidade quando queríamos conquistar uma cidade que era difícil de ganhar com batalhas? Cortávamos as rotas de abastecimento à cidade, deixando-a sem agua e sem comida.
Depois era sentar e esperar. 
Acredito poder fazer o mesmo com o cancro.
Temos de entender as condições de sobrevivência da célula tumoral frente à célula saudável.

Hoje sabemos que a célula saudável vive num meio alcalino rico em oxigénio, usa muito pouco sódio para viver e utiliza proteínas levogiras.
Pelo contrário o paciente que desenvolve um processo oncológico entra em acidose metabólica – ou seja, o terreno acidifica-se – e passa a existir escassez de oxigénio a isto se chama hipoxia – o que obriga as células saudáveis a mutarem, se não querem morrer.
As células saudáveis conseguem sua energia através de oxidação, ou seja graças ao oxigénio criam a Adenosina Trifosfato (ATP) – que é uma molécula base da energia celular.
Mas, quando o terreno se acidifica e o oxigénio escasseia, só têm uma alternativa se não querem morrer: encontrar outra maneira de obter energia. Essa possibilidade existe e é explicada no chamado Ciclo de Krebs.
Em vez de consumir oxigénio o corpo utiliza ácido pirúvico mediante um fenómeno conhecido como glicolisis que permite obter moléculas de ATP, mas criando um resíduo de ácido láctico e álcool.
Trata-se assim de uma forma anaeróbica – sem ar – para sobreviver. Isto é, a célula saudável aeróbica que vive em terreno alcalino torna-se anaeróbica, mas à sua volta o meio é ácido, e a célula para poder viver neste ambiente ácido, alcaliniza o seu núcleo, seu citoplasma, e o preenche de sódio. Assim utiliza para se alimentar proteínas dextrogiras no lugar de levogiras, já que as mesmas vivem em ambientes ácidos.

Em resumo, todo o tumor vive num meio ácido, pobre em oxigénio, carregado de sódio, alimentando-se de proteínas dextrogiras.
Logo se o queremos neutralizar sem o atacar, que podemos fazer?
Em primeiro lugar, o paciente precisa de desacidificar o terreno – o seu corpo, torna-lo alcalino. 
Para isso temos de limpar os ácidos que se foram acumulando no organismo.
A chave para este processo é a alimentação – há que eliminar da dieta tudo o que acidifica e isso inclui o álcool, o café, o tabaco, o açúcar, os lácteos, os hidratos de carbono, a carne vermelha e tomar periodicamente banhos de água quente com sal marinho.
Em segundo lugar deve seguir uma dieta hiposódica, quer dizer baixa em sódio ou sal.
Em terceiro, é necessário dar ao corpo enzimas proteoliticas de ação seletiva, enzimas com capacidade para eliminar as proteínas dextrogiras deixando intatas as levogiras. 
E aqui há que recordar o extraordinário trabalho do Dr. Fernando Chacón, criador do BIA-BAC. Produto que faz exatamente isso.
Se eliminamos as proteínas dextrogiras deixamos as células tumorais sem comida, fazemos uma dieta hiposódica – e sem sódio as células cancerosas não conseguem manter a estabilidade da membrana e do citoplasma – e reduzimos o nível de toxicidade através da desintoxicação, o meio interno fica mais alcalino e rico em oxigénio.
E o oxigénio é toxico para a célula tumoral anaeróbica.

Definitivamente podemos dizer que basta mudar o terreno para que as células cancerosas morram, porque estas não sobrevivem em terrenos alcalinos oxigenados. São cada vez mais abundantes os casos de remissões nos doentes oncológicos que seguem este protocolo.

- A dieta é o primeiro elemento chave nesta estratégia de cura?
-Sempre nos têm aconselhado a não comer carne, e muitas tradições falam da prática do jejum – pelo menos 1 dia por semana – mas ninguém nos tinha explicado claramente o porquê.

Sem duvida, já Galeno tinha entendido a necessidade de depurar o corpo, tanto através do jejum, como seguindo dietas vegetarianas.
As curas à base de limão, cebolas, uvas vêm da época dos romanos. 
Como 90 – 95% das frutas e verduras são basicamente agua, quem se alimenta um tempo só com elas limpa os órgãos encarregados de filtrar o sangue e os resíduos metabólicos tóxicos, quer dizer, os pulmões, os rins e o fígado. Filtros que quando obstruídos levam o organismo a intoxicar-se e a acidificar-se.

A todo o mundo se explica que quando o filtro do carro está sujo, há que muda-lo, mas a ninguém se diz que quando os filtros do corpo estão sujos há que limpa-los. Pois bem, jejuar ou fazer uma dieta vegetariana durante certo tempo ajuda a limpar os filtros e a manter o organismo num PH alcalino.
Obviamente se junto com a dieta se ingerir determinadas plantas, especificas para cada órgão – ajudamos na limpeza.
Há plantas que limpam os pulmões (tomilho, verbasco), plantas que limpam o fígado (alcachofra, cardo mariano, dente-de-leão, boldo, desmodium), e plantas que limpam o rim (chá verde, cavalinha, arenaria).
Em poucas palavras, podemos dizer que eliminamos ácidos através do fígado, dos pulmões e dos rins, assim como através da pele com banhos de água quente com sal marinho por osmose. E conseguimos a tão desejada alcalinização.


- Sugere a todos os seus pacientes que eliminem a carne das suas dietas?
- Nós sugerimos uma dieta ovo-lacto-vegetariana, onde se come legumes, ovos, e algum queijo, assim a pessoa se encontra mais equilibrada, mas a ideia segue de reduzir cada vez mais as proteínas.
A OMS indicou em 1985 que a dieta ideal era consumir 85% de proteínas vegetais e só 15% de origem animal.
E nós nos dias de hoje, estamos a comer proteínas de origem animal muito acima destes valores.

Muita gente ignora que uma dieta excessivamente proteica acidifica.
 O poder de ter uma boa digestão está no fígado, para isso ele precisa de cortisol – que só se encontra no sangue quando há sol, mas a maioria de nós janta quando este já se pôs, ou seja quando o nível de cortisol é muito pobre, mas continuamos a comer, fazer grandes jantares. 
Para remediar, o fígado recebe da glândula supra-renal uma hormona alternativa – a adrenalina - a hormona do stress – pois esta está disponível 24 horas. 
É normal que ao deitar sinta o coração acelerado.

Além disso, há que ter em conta os ritmos circadianos: de dia o fígado se encarrega de assimilar as proteínas que ingerimos, mas de noite sua função é basicamente de drenar a bílis.
E o cortisol é o elemento que determina a inversão de trabalho, para que o fígado passe de um órgão assimilador para um órgão drenador.
Assim se stressamos o fígado todos os dias fazendo-o assimilar quando deveria estar a drenar, este não vai eliminar adequadamente os resíduos metabólicos.
Por isso digo sempre aos meus doentes: o problema com a alimentação não está normalmente no que comemos, mas nos resíduos que deixamos ao não eliminar.
Quando o corpo não pode eliminar as toxinas e as vai retendo, vamos nos autointoxicando, acidificando, enchendo com ácidos o terreno, abrindo caminho para um problema tumoral.
O segundo pilar do meu protocolo de desintoxicação e alcalinização são os banhos quentes com sal marinho.

- Acredita que tem mudado a mentalidade dos Oncólogos a respeito da Medicina Natural nos últimos anos?
- Pouco a pouco…mas sim.
Posso dizer que há bastantes oncólogos e radiólogos de vários lugares de Espanha que me enviam pacientes para que os desintoxique, porque reconhecem abertamente que fazendo isso, eles melhoram.
 No entanto fazem-no pedindo em boca pequena “olha Alberto, que isto fique entre nós”.
Mas a abertura é cada vez maior.
Claro que existe um rum-rum entre os pacientes nas salas de espera sobre a eficácia do que fazemos e no final tudo se sabe.
Quem nos manda mais pacientes são os enfermeiros, porque são eles que têm contato direto com os pacientes.
É certo que cada vez mais médicos entendem que a Medicina biológica ou Naturista não é uma “Medicina Complementaria” nem uma “Medicina de Confrontação”. 
É simplesmente Medicina.

Segue o vídeo onde o Dr Alberto fala sobre o escrito atrás:



Fonte: WWW.Dsalud.com

terça-feira, 12 de junho de 2012

Sentir o Corpo Interior


imagem copiada net
Apesar da identificação com o corpo ser uma das formas mais básicas do ego, o que importa realçar é que também é a forma que podemos ultrapassar com mais facilidade. Ultrapassamo-la não tentando convencer de que não somos o nosso corpo, mas deslocando a nossa atenção da forma exterior do nosso corpo e dos pensamentos acerca dele – bonito, feio, forte, fraco, demasiado gordo, demasiado magro – para a sensação de vitalidade que reside dentro dele. Independentemente da aparência do nosso corpo ao nível externo, isto é, para além da forma exterior existe um campo de energia intensamente vivo.

Se não tiver familiarizado com a consciência do seu corpo interior, feche os olhos por alguns momentos e descubra se existe vida dentro das suas mãos. Não questione a sua mente, pois ela responderá: “Não sinto nada”. Provavelmente dirá também: “dá-me algo mais interessante em que pensar”. Por isso em vez de fazer perguntas à sua mente, vá diretamente às mãos. Quero dizer que se torne consciente da sensação subtil de vitalidade latente nas suas mãos. Ela está lá. Só tem de concentrar a sua atenção nas suas mãos para se aperceber dela. Pode ter uma leve sensação de formigueiro inicialmente e depois sentir energia e vitalidade. Se concentrar a sua atenção nas suas mãos durante algum tempo, a sensação de vitalidade intensificar-se-á. Algumas pessoas nem sequer precisam de fechar os olhos. São capazes de sentir as suas “mãos interiores” enquanto estão a ler isto.
 Em seguida, concentre a sua atenção nos seus pés por alguns momentos, e comece a sentir simultaneamente as suas mãos e os seus pés. Vá adicionando outras partes do corpo – pernas, braços, abdómen, peito e assim por diante – até ganhar consciência do corpo interior como uma sensação global de vitalidade.

Aquilo que chamo “corpo interior” já não é concretamente o corpo, mas sim a energia vital, aponte entre a forma e a ausência de forma. Pratique o exercício de sentir o seu corpo interior com regularidade. Por exemplo, veja se consegue sentir o corpo interior sempre que estiver a ouvir alguém falar. Parece quase um paradoxo: quando está em contato com o corpo interior, já não se identifica com o seu corpo nem com a sua mente. Isto significa que já não se identifica com a forma, deslocando-se assim da identificação com a forma para a ausência de forma, que também podemos designar por SER. Esta é a sua identidade essencial.
 A consciência do corpo não só o mantém firme no momento presente, como também equivale a uma das formas de libertação da prisão que é o ego. Além disso, reforça o sistema imunitário e a capacidade de o corpo se curar.

Fonte: copiado de Eckhart Tolle no livro “um novo mundo”

segunda-feira, 11 de junho de 2012

“Quando morres somente mudas de Consciência”


Pim Van Lommel, é cardiólogo e investigador de experiencias após a morte (EDM)

Quando ensinava Cardiologia no Hospital de Arnheim – 800 camas- já investigava o porquê de alguns pacientes que após enfarte e morte clinica, voltavam a viver.

Em 1986 li um testemunho de um estudante de Medicina, George Ritchie que ressuscitou uma pessoa depois de nove minutos em morte clinica. Me impressionou tanto que comecei a estudar em profundidade estes casos.

 Entrevista por La Vanguardia:

- Havia muitos casos destes?
- Em 1988 já tinha doze episódeos inquestionáveis e criei uma rede de investigação com outros dez hospitais holandeses. Iniciamos um estudo clinico com 344 pacientes que foi publicado em 2001 no “The Lancet”.

- Causou um impacto mundial…
- Tanto, que como já lhe disse, após 31 anos de cardiologia, decidi dedicar-me exclusivamente a experiencias perto da morte.

- O que temos aprendido desde de 2001?
- Temos mais perguntas, uma delas muito clássica: se a Consciência é um mero produto do cérebro, como pode sobreviver e explicar a experiencia da morte?

- Que diz a medicina Ortodoxa?
- Que se trata de meras alucinações causadas pela anoxia (falta de oxigénio no cérebro).

- Sobre quê são essas experiencias (EDM)?
- Todas coincidem em falar de recordações, conhecimentos e emoções e mantêm a sua identidade, que é um ponto crucial, porque o ego é “ligação” entre a consciência e o corpo.

- Luzes, vozes, ver a vida num instante…?
- Essas experiencias são vividas por muitas pessoas, mas nem todas falam nelas com medo de serem achados lunáticos ou porque não acreditam naquilo que viram, pensam ser um reflexo da medicação ou da doença.

- Todos experimentam o mesmo?
- Nem todos experimentam tudo, mas todos citam experiencias.

- A que se referem?
- É quase sempre a revisão da vida passada, mas também a futura ou o próprio presente, alguns al voltar à vida antecipam sucessos, reinterpretam o passado, há muitos que mudam de companheiro, de trabalho, de existência, porque contemplaram a sua vida em conjunto durante o EDM.

- Como são essas Visões?
- Inexplicáveis, a linguagem carece de termos para podermos explicar. Uma EDM de três minutos pode levar semanas de testemunho. O tempo transcorre de uma forma única, em síntese com o espaço.

- Por exemplo:
- Um paciente refere que durante a EDM (experiencia após a morte) tinha visto um senhor sorrindo-lhe. Dez anos depois, sua mãe revelou-lhe que era filho de uma relação extraconjugal e mostro-lhe uma fotografia do pai biológico, assassinado num campo de concentração e…era o senhor sorridente.

- Como sabe que esses pacientes clinicamente mortos seguem conscientes?
- Centos de casos o provam. No documentário Conciencia más allá de la vida explico que um homem de 43 anos chegou cianótico, frio, sem tensão e com as pupilas dilatadas. A enfermeira retirou-lhe a prótese dentária e colocou-o num caixão. Ressuscitou inexplicavelmente depois de um coma e perguntou pelos seus dentes.

-Se estava vivo precisava deles…
- Reconheceu os seus dentes, pediu que os devolvêssemos. Ela nos chamou alarmada, mais tarde o paciente nos relata com detalhe o que havia dito e feito quando chegou morto às urgências do hospital.

- Em quê você acredita?
- Nossa consciência não é mais que um retransmissor para esta dimensão de nosso Ser, em várias. É semelhante a um radio, que mesmo que vivamos aqui, sintoniza como Universo. Nossa morte é somente uma mudança de Consciência, uma transmissão. 
Só morremos numa dimensão para passar a outras.

- É alguma convicção religiosa?
- É física quântica. 
Eu não sou crente. 
Muitas religiões têm-se aproximado desta realidade com algumas técnicas de passagem entre dimensões, através da meditação ou do misticismo.

-Como sabe?
- Porque estudo dezenas de casos todos os dias e as experiencias são recorrentes: conjugam tempo-passado, presente e futuro: têm visões – e o espaço é a Unidade.
E, estes testemunhos de cada dia, coincidem com os relatos da mística e com as visões de gurus e santos desde há seculos.

- Tudo está conectado?
- Veem a Luz (as crianças dizem que é um anjo, os ateus falam de uma energia, e os crentes de Deus). Todos se referem ao mesmo.

- Porque a ciência ignora estes dados?
- Até agora… a mecânica quântica demonstra que a luz é formada por partículas ao mesmo tempo que o é por ondas – creio que nossa consciência as retransmite – dependendo do estado do observador.

- A experiencia de um objetivo, ao fim, depende do seu estado subjetivo.
- Assim mesmo, desde os gurus milenários até aos físicos quânticos, quando assumes tua transição sem medo experimentas uma antecipação dessa sensação de plenitude.

Fonte: La Vanguardia 

Ser Cortês ou Ser Bondoso?

imagem copiada net

Sempre se valorizou a Cortesia, que é uma maneira delicada e civilizada de agir, é um comportamento humano de alguém que é cortês ou gentil.
Diz-se que a Bondade é uma disposição permanente de uma pessoa em não fazer o mal e neste sentido é sinonimo de benevolência.
Daqui se conclui que é grande a diferença entre bondade e cortesia.

Quando se é cortês, espera-se que as pessoas reajam de igual modo, isto é, que sejam corteses consigo também, que tenham boas maneiras e façam o esperado.
Um ato de bondade vibra numa frequência diferente, não espera qualquer resposta, é completamente impessoal, sem julgamento e sem reserva. Podemos mesmo dizer que um ato de bondade é uma bênção.

Pode-se considerar que existe duas formas de ser bondoso.
 A primeira é uma forma interna, pode ser apenas a ideia de visualizar pessoas na sua mente e encontrar um pensamento bondoso através do qual as caracteriza e que resulta num efeito real. Sempre que seja do nosso conhecimento que alguém não está bem, seja que situação for, podemos sempre visualizar, enviar mentalmente pensamentos de paz e de ajuda para essa pessoa. Algumas pessoas que tentaram este exercício mental deram-se conta de que pessoas stressadas se tornaram mais calmas e amigáveis sem saberem porquê.

A segunda forma de ser bondoso é através de atos físicos.
 Pode ser um sorriso, um olhar, uma mão que se estende, um aceno de saudação ou mesmo um reconhecimento respeitoso, são modos bem simples de se fazer e de se ser bondoso.

A Cortesia é um ato de civilização, mas a bondade é um ato do coração humano.
Neste mundo e neste momento uma das coisas mais importantes é Ser-se Bondoso.

sábado, 9 de junho de 2012

El cambio de Waine Dyer


Neste Domingo, deixo-vos um filme - “A mudança” - El Cambio.
Vale a pena ver...

sexta-feira, 8 de junho de 2012

“Nós passamos a Vida a forçar outros a Amar-nos” SRI PREM BABA e o Caminho do Coração

imagem copiada net

“ Os problemas e a infelicidade são oportunidades. 
Quando o problema se repete, há que insistir na pergunta sabia: O QUE TENTA ME ENSINAR A VIDA que eu não consigo aprender?”

Apesar da sua imagem clássica de sábio hindu com barba e cabelo branco, Prem Baba, que em sânscrito significa “ Pai do Amor”, é um mestre espiritual nascido e crescido no Brasil onde se formou e trabalhou como psicólogo humanista e mestre de yoga. Observava que o ser humano vivia desesperado em busca de alívio e compreendia que a psicologia é só uma parte do processo, mas insuficiente para poder curar o Ser humano por si só.

Foi na India que se converteu a mestre e divulgador espiritual, desenvolveu um método de crescimento denominado “o Caminho do Coração” que une diferentes tradições Orientais e Ocidentais, ou seja uma união entre a psicologia e a espiritualidade.

Seu objetivo é “guiar-nos para o Caminho do Coração e ajudar-nos a recordar nossa verdadeira Natureza” e para isso Prem Baba propõe-nos a meditação, a reflexão e a prática do serviço desinteressado.

“ Tu não és matérias, expressas-te através dela, ela é o teu veículo. Tu és a Divina Presença, muito além de qualquer nome e de qualquer forma. Permite-te ser Uno com o Todo, percebe que para lá do corpo, estás em todos os lugares, manifesta-te em tudo aquilo que está vivo. És a eterna força Divina.”

Entrevista a Prem Baba pela La Contra de la Vanguardia:

- Em que consiste o trabalho que propõe?
- Muitos dos ensinamentos espirituais da atualidade focam-se no bem, na bondade, no ativar a Consciência e no recordar quem são.
Sem duvida, que ninguém sabe o que fazer com os sentimentos de medo, de ira, orgulho, inveja, gula, preguiça, avareza, luxuria e mentira que também fazem parte da experiencia humana, que eu chamo das Nove Matrizes do Ser Inferior.

Dar uma direção a esses sentimentos forma parte do processo espiritual. 
O que faço é ajudar as pessoas a identificar e transformar esses sentimentos, não a fingir que não existem. Quando finges que não existem, crescem acabando por te trazer problemas a ti e aos outros, sabotam a felicidade e impedem-te de ser próspero, de ter saúde, impedem-te de ser feliz e de te iluminares.

Essa parte que não vemos luta contra nós, a que eu chamo “círculo vicioso do sadomasoquismo” que é um mecanismo de defesa que a pessoa cria a viver choques de dor, humilhação, abandono e rejeição.

Às vezes é necessário espiritualidade para se escapar da maldade. 
Só que quanto mais de foge, mais ela cresce, a maldade tem que ser transformada e só a transformamos olhando-a, temos de encara-la.

- Como se realiza essa transformação?
- A primeira parte é mais difícil, a fase da purificação, que é quando começa o processo espiritual. 
Ninguém quer ouvir verdades pouco agradáveis sobre si mesmo.
 Há sempre dificuldades em aceitar as nossas próprias imperfeições. 
Todos queremos ser perfeitos.
 Ninguém quer sentir essa dor. 
Mas….Essa dor está ali e todos somos vítimas dela.
 Só se pode curar uma doença se a reconhecermos. Só podemos nos livrar de um problema se o identificarmos.
´
Que faz um diabético quando come açúcar?
Dentro dele há um desejo para ficar doente por alguma razão. 
Meu trabalho é ajudar a identificar essa voz. A primeira coisa a fazer é um inventário de problemas.

- Isto não deve ser nada fácil…
- Não, porque te põe em contato com dores profundas e difíceis de enfrentar. Por isso é mais fácil estar adormecido neste círculo vicioso. É necessária coragem e humildade para admitir as imperfeições humanas e não querer estar acima delas.

Temos que descondicionar a mente para que possamos nos identificar com o Eu maior, o Eu real, e o Eu Superior.

Este mundo é uma tremenda ilusão, um mundo criado pela mente, um pesadelo e a raiz do pesadelo é a carência afetiva, por isso é necessário despertar desse sono mal dormido. 
Tu acreditas que não tens nada para dar ao outro e por isso necessitas obtê-lo dele. Estamos completamente enlouquecidos atras do dinheiro e do acumular, tentamos destruir o outro para tirar-lhe algo, forçamos os outros a darem-nos atenção, esta é a Matrix.  
Aquilo que a sustenta são os desejos, a competição. 
Toda a disputa nasce para se conseguir um Amor exclusivo. 
Esta é a principal doença a ser curada.

- Como a espiritualidade nos ajuda no processo de cura?
- Quando a pessoa está a sofrer e começa a questionar a vida e a si mesmo, procura respostas, consolo e alivio.
 A terapia prepara o campo para a espiritualidade, mas a verdadeira espiritualidade só é possível através de um guru. Só alguém que já despertou conhece o caminho e pode-te ajudar a encontrar o teu.

Para que a graça divina se possa manifestar e dar fruto, o agricultor tem de preparar a terra, tem de plantar a semente, tem de cuidar dos brotos e afastar as ervas daninhas, até que aquele broto se transforma numa árvore e dá fruto. 
É o trabalho do agricultor, que faz as terapias preparar o terreno.

- Mas não é cada um seu próprio mestre?
- Essa crença é a primeira barreira para a iluminação. 
Existe muito apego ao mundo material e a mente cria truques para não se desapegar desse jogo de objetos que estimulam os sentidos.
O mestre está dentro, o mestre é a própria vida, para deixares-te guiar pelo mestre que está dentro de ti ou pela vida, necessitas de um guru encarnado que te mostre o caminho.

Fonte: baseado el blog alternativo