Mundo Higeia

Bem Vindo a este Mundo!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Tratamento Natural Queda de cabelo.

É normal cair cabelo, principalmente no Outono. Diz-se” caída da folha, caída de cabelo”, no entanto existe um limite para essa queda. Se cai muito, ou seja, a escova fica cheia de cabelo, a banheira onde toma banho , etc, então é hora de fazer algo para o salvar.
Já sabem que para mim a alimentação é sempre o ponto de partida, de qualquer tratamento, então vamos comer mais frutas, mais verduras, mais brotos. Também podemos tomar como suplemento, pólen, spirulina, mas nestes eu falo mais tarde.
Vamos a um tratamento supimpa, que resulta:
“Alecrim , alecrim aos molhos, por causa de ti choram os meus olhos”AH!! Mas crescem os meus cabelos.
AH, pois… o Alecrim é famoso nos tratamentos da calvície, tanto internamente (beber um saboroso chazinho, e neste momento em Portugal faz tanto frio – que bem que sabe. Não gosta muito? Aromatize com uma casca de limão e adoce com mel), como externamente.
Se conhecer o Alecrim ( rosmarinus officinalis), pode apanha-lo na borda de jardins, ou pedir a alguém que tenha no jardim (em Portugal é muito comum), ou comprar um saquinho dele seco na ervanária, o importante é conseguir o” salvador de cabelos”.
Corta-se em pedaços pequenos, deixa ferver 20 minutos.
Não se esqueçam, de tapar a panela, o tacho ou o fervedor, o que usarem.







Deixem arrefecer.

Quando estiver morno ou mesmo frio:
Deita-se para o liquidificador e bate-se muito bem, como mostra a imagem.
Passa-se pelo passador.
O liquido que obtive, juntei ao meu shampoo que já estava a meio.

Agora, só falta lavar a cabeça.
O shampo fica mais liquido, agitar um pouco antes de usar. Fica optimo na mesma.
O resto do liquido, você junta numa bacia com água, e passa os cabelos por esta mistura, não enxaguando mais.
É garantido ( a não ser que tenha problemas de saude mais graves, que tem que ser avaliado, como por exemplo: anemia), os seus cabelos vão ficar fortes e brilhantes.

Por ultimo; o stress desmineraliza, logo faz cair o cabelo, por isso sejam felizes.

Suco verde.
Este suco é feito com couve-galega, maçã e umas gotas de limão. É delicioso, sinto-me bem a bebe-lo.
É um suco de CLOROFILA. Nenhum elemento chega tão rápido a corrente sanguínea como ela.
É um suco de luz. Luz solar. Quimicamente a clorofila (pigmento verde das plantas) é quase idêntica á hemoglobina – a substancia que transporta o oxigénio dos pulmões para todos os tecidos do corpo. A principal diferença, é que no centro da clorofila temos um íon de magnésio e na hemoglobina de ferro.
A acção da clorofila no nosso estado de saúde é tão importante que dois prémios Nobel foram atribuídos á pesquisa sobre o composto.
Ao ingerir sucos de folhas verdes, estamos a Purificar-nos, a Anti-inflamar-nos, e a Nutrir-nos.
Vamos fazer o nosso suco ou sumo?


Uma boa folha de couve, no meu caso, tipo galega, 2 maças lavadas e descaroçadas.
Colocar intermediando a couve a a maça na máquina de sumos.









Veja a imagem:
Agora, é só deliciarem-se. As células que habitam o templo da vossa alma estão a sorrir, e quando isso acontece, vós ficais felizes. De que que estão à espera?
Vamos nos amar, sendo saudaveis e naõ esquecendo de ser felizes.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Filme "o nosso Lar"


Vi este filme. Gostei muito. Não sou espírita, não tenho religião, mas acredito no “religar”com o Criador ou grande SER.
Há uma passagem, muito interessante: um médico morre e vai para outra dimensão, onde é recebido por outras pessoas ou seres que lhe dizem que morreu de suicídio.
- Eu não me suicidei – responde, além disso sou medico sei do que estou a falar. Com um sorriso respondem-lhe:
- Você morreu de suicídio, como grande parte das pessoas, hoje na terra, de SUICIDIO INCONCIENTE.
Achei muito realista esta passagem, penso que é realmente isto que está a acontecer, que nós nos estamos a suicidar de cada vez que poluímos o nosso meio interno, ou  a nossa mente. Daí a minha procura, e a minha insistência para me comportar dentro das leis da Natureza. Nem sempre é fácil. A artificialidade da vida tem muitos encantos, que facilmente nos atrai. Todos os dias eu prometo “escolher não me suicidar”.

E você já pensou nisto?

sábado, 20 de novembro de 2010

De novo o SÁBADO.

Fico feliz com a chegada do sábado, mas é vivido por mim, numa rotina repetitiva.
Levantar às 6:30, ir ao mercado dos legumes (todos os sábados, vou cedinho para conseguir comprar legumes e frutas de pequenos agricultores). Infelizmente não são produtos totalmente biológicos, mas são de uma qualidade superior ao das grandes superfícies, além disso vêm muito fresquinhos.
Hoje comprei, ramalhetes de cenouras, agriões, brócolos, couve, laranjas, maçãs, etc.
 A foto ilustra melhor:

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Limão- O primeiro do dia.

É o fruto que eu escolho como primeiro para falar.
É o fruto que eu escolho para primeiro dizer: "bom dia".
Levanto-me todos os dias por volta das 6:45H, e após a minha higiene, vou direitinha á cozinha, beber do suco da fruta da cura.

Uma história:
  Era uma vez um rapaz indiano que queria ser médico. Após muitos anos conseguiu.
Agora tinha que trabalhar, e mandaram-no para uma aldeia afastada da sua terra natal.
Fez a sua mala, e após carregar o seu burro (sim, o burro, na época era assim), pôs-se ao caminho.
A perspectiva era muita, o sonho ia-se concretizar, enfim, tinha chegado a hora de pôr em prática o que tinha aprendido. Mas, ao chegar perto da aldeia, o seu entusiasmo diminuiu. Perguntou para um pastor:
 - Amigo, sabe-me dizer, se nesta aldeia, todos os quintais tem limoeiros?
 - Todas, e várias árvores, para que chegue para toda a família, é a fruta mais fantástica da humanidade. Não sabe, que onde entra o limão, não entra a doença? E já agora, quem é o amigo?
 Com voz baixa respondeu: - Somente um visitante.
Não continuou, voltou para trás, que mais podia fazer por aquela gente, eles tinham limões, e melhor, acreditavam que eles os curavam de qualquer enfermidade que lhes sucedesse.

Li esta historia algures.
Pelos quintais portugueses, também encontramos muitos limoeiros a enfeitar o jardim.
Mas será que acreditam que ele cura? Eu Acredito.


quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Higienismo- Como cheguei ?

Esta sede de conhecimento tem-me levado por caminhos muito interessantes. Não sei se totalmente certos e necessarios, mas importantes para mim.
Fiz uma licenciatura em Medicina Tradicional Chinesa, fiz curso de Homeopatia, de Fitoterapia, etc... mas o curso mais importante, é feito diariamente com as minhas pesquisas. Todas as Medicinas podem ajudar o Ser humano a viver melhor, mas acredito que, se na base de todas elas, estiver o equilibrio do Homem com a Natureza, e consigo mesmo, tudo será mais fácil.
Após pesquizar sobre Higiene Natural (higienismo), fiquei atraída por esta filosofia. Quis testar em mim, e após práticas como comer quase tudo cru, fazer jejum, exercicios respiratorios, e amar o mundo, decidi fazer o blogue. Talvez haja muitas Higeias.

Porquê Higeia?

Porque é meu objectivo encarnar esta personagem.
Na antiga grécia, Higeia era a deusa da saúde, significa saudavel.
Higeia defendia a saúde como o equilibrio harmonioso entre o Homem e a Natureza.
Para ela, ter saúde faz parte do ser vivo, ganho por todo o ser humano que respeita-se a ordem natural da Vida.
A função mais importante do médico, era descobrir e ensinar as leis da Natureza, que levariam a uma mente sã num corpo são.
Resumindo, Higeia apelava para que cada um de nós, toma-se as rédeas da nossa vida, sermos responsáveis pela nossa Cura.
Que mais posso eu dizer, para justificar a minha escolha?
Somente quero, fazer relembrar o seu nome e a importancia das suas convicções nos dias de hoje.

1º Post. Falar de quê?

Estou emocionada!
Vou falar para o Mundo.
Qualquer pessoa me pode ouvir.
Desde sempre me perguntei, qual a melhor maneira para se viver neste planeta? Qual a melhor alimentação? Tem alguma relação a nossa alimentação com os nossos pensamentos?, Os nossos pensamentos com as nossas emoções? As nossas emoções com a nossa felicidade e alegria?
Bem! neste Mundo Higeia, eu vou contar-vos o que penso sobre isso.